A Páscoa de um menino diferente

Ação Bíblica do Brasil – Direitos Reservados

“…Sim professora, mas o sepulcro de Jesus também estava vazio”, respondeu o menino.

Jeremias veio ao mundo numa família saudável, mas nasceu com atraso mental e o corpo deformado por uma doença congênita. Aos 12 anos, ainda freqüentava a segunda série e parecia incapaz de estudar. Sentava-se todo encolhido, babava e dava grunhidos, irritando alunos e mestres.

Já cansada da incapacidade de Jeremias, a professora chamou seus pais para uma conversa. “O Jeremias tem de passar a freqüentar uma escola especial. Não é justo que ele esteja com outras crianças mais novas e normais”, explicou a professora.

A mãe de Jeremias começou a chorar enquanto o pai tentava remediar à situação. “Não existe nenhuma escola deste tipo na cidade. O Jeremias ficaria muito triste se saísse daqui”, afirmou o pai. Sem conseguir o que queria, a professora permaneceu sentada e pensativa um bom tempo após a partida dos pais. Ela estava confusa e com sentimento de culpa por querer livrar-se de Jeremias. Por fim, acabou dizendo em voz alta: “Oh, Senhor, estou sempre reclamando dos meus problemas, que são tão pequenos em comparação aos dessa família. Ajuda-me a ter mais paciência com o Jeremias”.

E o menino continuou a freqüentar as aulas.

O tempo foi passando e chegou a Páscoa. As crianças gostavam muito dessa época por causa dos ovos de chocolate e das festas na escola.

A professora contou para a classe a história de Jesus, de sua ressurreição e o verdadeiro sentido da Páscoa. Numa atividade diferente, ela entregou a cada aluno um grande ovo de plástico e pediu que colocassem dentro algo que lembrasse uma vida nova.

As crianças amaram a lição de casa e começaram a conversar sobre o que trariam dentro dos ovos. A professora notou que Jeremias tinha escutado com muita atenção mas ela não sabia se ele tinha entendido que a ressurreição significava uma vida nova.

No dia seguinte, os dezenove alunos colocaram seus ovos num grande cesto. Ao abrir o primeiro ovo, a professora descobriu uma flor. “Oh, sim! Uma flor é, sem dúvida, o sinal de uma vida nova”. O ovo seguinte continha uma borboleta de plástico. “Muito bem, a lagarta cresce e se transforma numa linda borboleta, é uma vida nova”. E assim a professora foi continuando, comentando cada ilustração da ressurreição.

De repente, ao abrir um dos ovos, ela parou espantada: Estava vazio. Imediatamente, ela pensou que devia ser o de Jeremias, que não teria entendido a lição. Para não deixá-lo em situação embaraçosa, colocou de mansinho o ovo de lado e avançou a mão para pegar outro. Mas Jeremias levantou-se e disse: “professora, porque você não quer falar do meu ovo?” Perturbada e sem saber o que fazer, disse: “mas Jeremias, o seu ovo está vazio!”. “Sim professora, mas o sepulcro de Jesus também estava vazio”, respondeu o menino.

O tempo pareceu parar… Quando conseguiu falar de novo, a professora perguntou-lhe: “E você sabe porque o sepulcro estava vazio?”

“Sei sim! – respondeu Jeremias. Jesus foi morto e o puseram lá dentro. E depois de três dias, o seu Pai o ressuscitou”.

Três meses mais tarde Jeremias morreu. Todas as pessoas que foram ao enterro se surpreenderam ao ver dezenove ovos em cima de seu caixão. Todos vazios.

“Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo aquele que vive, e crê em mim, nunca irá morrer. Crês tu isto? (João 11:25,26).

“Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. Estas coisas vos escrevi, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus. ” (1 João 5:12, 13).

Compartilhe nas redes sociais:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn